Fazedores de SOM comemora 7 anos de sintonia fina e música livre

O 14º vol._[a] & [b] dos Fazedores de SOM envolveu diretamente 61 tupiniquins em prol da expansão da audiência da música produzida por brasileiros

unnamed (3).jpg

Fazedores de SOM é um núcleo criativo formado em 2012, com foco na troca de informação sobre metodologia de produção musical – composição, harmonia, software e hardware

Com 14 compilações, 230 faixas lançadas e 7 anos de estrada, o projeto divulga as músicas selecionadas pelos próprios produtores, que geram compilações esculpidas por sonoridades multifacetadas e moldadas com fluidez por uma curadoria descentralizada. "Característica nata da musicalidade brasileira", diz Blasquez, responsável pelo núcleo e um dos produtores do volume atual. 

Chicago, Berlin, Londres, Tokyo, Montréal, entre outros polos musicais, estão na lista das cidades que mais escutam as compilações. O que mais chama a atenção, no entanto, é a falta de suporte pelos próprios brasileiros. 

Com mais de 23 mil escutas feitas através de uma plataforma gratuita, os Fazedores buscam investimentos que possibilitem sua expansão, como o acesso a relatórios mais completos, disponíveis aos usuários que possuem a conta PRO do Bandcamp. Para que isso aconteça, o grupo conta apenas com arrecadações voluntárias através da compra dessas compilações ou por meio de uma VAKINHA mensal, em que a prioridade é estipulada conforme as necessidades do grupo. 

Na fanpage dos Fazedores, a comunicação também é linkada com o universo criativo e suas ferramentas. Tem diversos conteúdos como: vídeos testando novos equipamentos disponíveis no mercado brasileiro, calendários de festivais de cinema com a temática musical (In-Edit Brasil), agenda de shows e a reverberação (mesmo que ainda tímida) dos VAs lançados.

Perguntamos ao Blasquez quais serão os próximos passos dados pelos Fazedores neste semestre e o spoiler foi sincronizado com a atual fase vivida no Brasil:  “O único objetivo neste momento é manter vivo este canal de conexão artística independente da maré de contracultura que assola nosso país."

Sobre o volume de aniversário e seus colaboradores, o jornalista Marco A. Andreol da SENÓIDE foi o regente das 58 faixas compiladas, distribuídas entre os lados [a] & [b]. O [a] ele mesmo sequenciou, agrupando "a nova leva de Techno, Trance e Electro nacional". Quem assumiu a tarefa de sequenciar o lado [b] foi o DJ/produtor Augusto Merli aka DramatClown, que trabalhou no "mais eclético, às vezes acústico, outras Synthpop, Minimal, Soul e Dub Techno," da coletânea.

Trocando em miúdos e sampleando Chico, sigo no tom do campo harmônico usado por Andreol em seu post sobre a iniciativa e a nova compilação: "Tenho certeza que existem outros ótimos produtores latino-americanos procurando espaço para serem lançados. Conhecem alguns? Recomendam? Superem as panelas e contatem Blasquez, façamos um movimento ainda maior e unificado, ainda que diverso."

[Créditos] 

• Produtores brasileiros: Allbion, Andre Bacon, Anvil FX (Paulo Beto, Apolonia Alexandrina e Biba Graeff), Arthur Joly, Bad Mix, Bassino Treblinsky, Bibiana Graeff, Blasquez, Bob Toscano, Boogboom (Dú Wurmeister e Rafael Verza), Bruno Palazzo, Bruno Real, Burako Negro (Caroline Morr, Alain Patrick e Bassino Treblinsky), Burkamina, DJ Flavya, DramatClown, Eletromariola, El Peche, Entropia-Entalpia, Erica Alves, Fabio Ape, Gawk, Giovani Imperatrice, Haendersein aka Max Underson, Nirso, Holocaos, Jovem Palerosi, Kiki, Lemes, Liv, LR, Manu Villas, Marco A. Andreol, Martinelli, Miranda, MJP, Mondo Creme, Morr, Muepetmo, Nisek, No Step, Palmer, Paulinho Paes, Pink Monkey Flower (Marcos Morcerf e Pejota), perrengue, Psilosamples, Racøn, Ramenzoni, Raquel Krügel, ROD, Sacii, Serge Erege, Stela Campos, Te (Thomas Mendes Mitchell, Tales de Deus Diniz, Êdy Rosestolato e Ádamo de Paula), V3RZA e XRS Land

• Convidados especiais: Manuel Gavras e Leonidas Ghione (México)

• Sequências: Marco A. Andreol e Augusto Merli 

Texto por Mr. T4PE / Revisão Miguel Silva / Ilustração Digital e Colagens: Marco Blasquez