Powder - Powder In Space (Beats In Space 2019)

Por Francisco Cornejo

385a9091-887c-4476-8a79-0307ac61b5b6.png

Ainda que recente, este episódio trata de uma coletânea que encapsula todos os princípios desta coluna, já que consegue ela mesma englobar uma imensidão de influências num fluir impressionantemente coeso que nos carrega leve e possantemente através das obras de muitos dos talentos que fizeram desse último biênio um período tão musicalmente interessante.

Sua autora, Powder é uma DJ e produtora japonesa que conseguiu alcançar crescente notoriedade entre DJs e produtores mais chegados naquele ecletismo tão lúdico quanto comprometido na exploração e disseminação de novas formas de mover quadris. E esse percurso no qual sua popularidade e reputação ganharam corpo e a levaram até o presente momento não foi fácil. Até pouco tempo atrás ela fazia malabarismos com uma vida dupla de artista e profissional, isso num lugar o qual sabemos ser lar de uma cultura de exaustão e extremo rigor com os horários de seus trabalhadores.

Ainda assim, Moko Shibata perseverou, do mesmo modo que muitas como ela fazem pelo mundo todo e atualmente vê uma agenda corrida de gigs que a trouxeram até longínquas terras como a nossa e projetos como a desta maravilhosa coleção de faixas cuidadosamente curadas por ela e lançadas pelo selo Beats In Space.

De fato, ‘Powder In Space’ é a primeira de nova série de compilações do selo homônimo à célebre rádio de Tim Sweeney. E, convenhamos, quando alguém como ele confia a você a tarefa de compilar um capítulo novo e monumental de seu selo, isso pode ser tomado tanto quanto prova quanto como desafio aos talentos de qualquer um.

De qualquer maneira, ela nos presenteou com algo sublime que, seja quantitativa ou qualitativamente, ficou além de qualquer expectativa que o próprio Tim poderia ter e pegou de surpresa até mesmo a este ouvinte de coração cansado mas de ouvidos atentos. São 18 (d-e-z-o-i-t-o ) faixas, sendo duas delas autorais, concatenadas numa comutação crono-musical de 74 minutos no quais singramos pelo House, resvalamos no Techno, sobrevoamos a Disco e flutuamos por ritmos globais para, no final, ficamos extremamente satisfeitos com a jornada e os destinos aos quais nos levou.

Todo esse espírito aventureiro é justamente o que ela traz a uma festa em que, particularmente, sabemos que vai sentir bem em casa. Vale ouvir essa maravilha e imaginar qual será a toada da próxima Gop Tun.